Balanço Social Embrapa
Embrapa
Home
Destaques
Impactos
Base de Ações Sociais
Balanço 2013
Prêmios
Endereços Embrapa
English Version
Versión en Español
SAC

O valor da inovação, das parcerias e da sustentabilidade

Desde 1997, quando lançou a primeira edição de seu Balanço Social, a Embrapa vem atualizando anualmente os dados numéricos de adoção e dos impactos socioeconômicos e ambientais de suas tecnologias, além de apresentar evidências dos retornos dos investimentos em suas pesquisas para a sociedade brasileira.

Ao longo de sua história a atuação da Empresa tem sido marcada pela quebra de paradigmas na busca de conhecimentos e de soluções tecnológicas para a agricultura brasileira. Essa constante renovação se reflete em benefícios para o país e diz respeito não apenas à geração de tecnologias, mas também aos processos de gestão institucional e de apropriação dos resultados de suas pesquisas. A Embrapa sempre investiu pesadamente na formação de seus colaboradores, procurando estar em sintonia ou mesmo à frente da ciência mais avançada produzida no mundo. Para dar suporte a esses investimentos passou a aprimorar constantemente seus instrumentos de gestão institucional. Todo esse esforço, no entanto, não faria sentido se a instituição também não criasse novas formas de apropriação ou troca de conhecimentos envolvendo os diversos elos da cadeia produtiva.

Este processo de renovação implica na adoção de um novo paradigma de pesquisa. Trata-se do reconhecimento que a interação entre ciência, sistemas produtivos e sociedade não mais ocorre em fluxos unidirecionais, mas em forma de redes movidas por sistemas de informações relevantes. Essa nova concepção faz toda a diferença para a Empresa quando suas pesquisas passam a ser desenvolvidas não mais por intermédio de projetos isolados, mas a partir de portfólios e arranjos de projetos envolvendo uma extensa rede de parceiros internos e externos. O mesmo acontece no âmbito da gestão institucional ao envolver parceiros da iniciativa pública e privada para criar um sistema de inteligência estratégica como o Agropensa. Esse novo paradigma também afeta o próprio processo de produção e consumo de conhecimentos e tecnologias, que deixa de ser unilateral ou unidirecional para contemplar sua construção conjunta, de maneira interativa.

O desafio da participação nas políticas públicas

O Brasil ainda possui enorme carência de políticas públicas que promovam a superação de passivos e coloquem o país numa rota sustentável de desenvolvimento econômico, social e ambiental. Nesse contexto, sob a liderança do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em conjunto com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e outras entidades governamentais, a Embrapa passa a cumprir de maneira mais efetiva seu papel de geradora de soluções em sentido amplo, ao propor e participar da melhoria de políticas públicas e a redução das pobrezas rural e urbana.

Entre os melhores exemplos dessa atuação está seu envolvimento no Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) que só foi possível graças a tecnologias desenvolvidas e aprimoradas por suas unidades, tais como a fixação biológica de nitrogênio, o plantio direto, o controle biológico de pragas e a integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF).

Destaca-se ainda a participação da Embrapa no processo de modelagem e lançamento da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (ANATER), bem como seu apoio a iniciativas de integração ensino, pesquisa e extensão rural voltadas para a agricultura familiar e ao programa Brasil Sem Miséria. Nesse caso, são 14 projetos que mobilizaram mais de três mil pessoas para conhecer os espaços produtivos, as famílias de agricultores e seus respectivos contextos visando construir conjuntamente saberes e conhecimentos em benefício de sua qualidade de vida. Essa mobilização resultou em 689 atividades coletivas entre oficinas de planejamento, reuniões e visitas técnicas, além de 120 ações de qualificação nas 317 Unidades de Aprendizagem (UAs) implantadas.

Diversas dessas unidades experimentaram tecnologias de âmbito social como fogões ecológicos e fossas sépticas, que levaram à criação de um ambiente saudável dentro e fora de casa, cuidando preventivamente de pessoas e lugares. Outras unidades colocaram em prática estratégias de segurança alimentar por meio da criação de alternativas de alimentação para os animais, como o plantio de palma forrageira e mandioca. Outra parcela de UAs vivenciou o manejo agroecológico com o plantio de milho, feijão e de diversas forragens (gliricídia, feijão guandu) destinadas à produção animal. Ainda no âmbito da agricultura familiar, a Empresa estabeleceu parcerias de cooperação técnica com a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e com o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) para a realização de oficinas regionais e locais.

Em se tratando de políticas públicas, a Embrapa apoiou o desenvolvimento do Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo) criado com o compromisso de integrar, articular e adequar políticas, programas e ações indutores da transição agroecológica, da produção orgânica e de base agroecológica. Destaca-se também o envolvimento da Empresa com políticas voltadas ao uso e conservação sustentável dos recursos naturais da Amazônia, tais como o Plano Amazônia Sustentável (PAS), o Plano de Ação e Prevenção de Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAM) e o Plano para o Desenvolvimento Sustentável do Xingu (PDRS Xingu).

Esta nova edição do Balanço Social apresenta, mais uma vez, diversos casos de sucesso como a roçadeira química Campo Limpo, a vaca holandesa Lenda da Embrapa e as acerolas da parceria Embrapa-Nutrilite. Também são destaque as cultivares de café do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), a bactéria que fixa Nitrogênio do ar no feijão caupi, o controle biológico de pulgões exóticos de pínus e o Modelo digital de exploração florestal (Modeflora). Esses são apenas as pontas do iceberg que qualifica o retorno proporcionado pela Embrapa e seus parceiros à sociedade.

A avaliação dos impactos da pesquisa faz uso de diversas outras evidências. Esses impactos, detalhados aqui, representam a consolidação de uma nova orientação estratégica compartilhada com uma extensa rede de colaboradores, envolvendo pesquisadores, técnicos, produtores e administradores de instituições públicas e privadas. Aliás, estratégia, inovação, parceria e sustentabilidade são as palavras-chave que têm feito da Embrapa instituição pública de pesquisa de excelência nacional e internacional.

Se o Brasil é hoje referência em desenvolvimento sustentável para diversas nações, grande parte desse reconhecimento se deve à pesquisa agropecuária e a todos aqueles que dela participam. Trata-se de um desenvolvimento que se expressa em insumos, produtos e orientações que promovem a melhoria da qualidade de vida, dinamizam mercados e constroem histórias de sucesso.


Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Secretaria de Comunicação
Secretaria de Gestão Estratégica

Parque Estação Biológica - PqEB s/n°.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041