Meio Ambiente e Educação Ambiental

O Brasil possui a maior biodiversidade do Planeta. Das 250.000 espécies de plantas existentes no mundo, cerca de 1/5 está em nosso território. Para que essa riqueza biológica continue existindo, de forma que seja passível de utilização em bases sustentáveis, a educação ambiental é um passo determinante. Ao contribuir com todas as esferas de governo em assuntos relativos ao meio ambiente, o principal compromisso da Embrapa é com a sustentabilidade da agricultura, definida como sistemas agrícolas economicamente viáveis, socialmente aceitáveis e, sobretudo, ambientalmente equilibrados. Essa preocupação também se manifesta nas Instituições de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário, que investiram R$ 3.839.468,40 nas diversas iniciativas relacionadas a seguir.


É possível conviver com a seca

As tecnologias da Embrapa Semi-Árido são componentes importantes de programas de desenvolvimento rural nos Estados da Bahia e de Sergipe. Dentro do Programa de Convivência do Homem com a Seca na Região Semi-Árida da Bahia, foi firmado um convênio com o governo baiano, para transferência de tecnologia, treinamento de técnicos e produtores, e instalação de unidades demonstrativas das tecnologias em 11 municípios. Esse programa evoluiu para a formação de um convênio no valor de R$ 40 milhões entre o governo do estado e o Banco do Nordeste, para financiar a instalação das tecnologias de convivência com a seca em 40 municípios baianos. Outro convênio foi firmado com o governo de Sergipe, para apoiar a implantação do Projeto de Apoio às Famílias de Baixa Renda da Região Semi-Árida de Sergipe (Pró-Sertão), em 17 municípios, envolvendo a transferência de tecnologias para 26.000 unidades de produção de até 50 hectares.


Tecnologia reduz riscos de perdas na agricultura

O zoneamento agropedoclimático, elaborado com técnicas de geoprocessamento, orienta a tomada de decisões sobre ações de desenvolvimento rural e atividades de manejo dos recursos naturais, permitindo reduzir perdas agrícolas por riscos climáticos. O trabalho cooperativo, liderado pela Embrapa reuniu o Iapar, a Unicamp, o IAC, a Epagri, a Fepagro, o Inmet e a Aneel, e está disponível na Internet, no endereço: http://www.embrapa.br/zonbr.htm.


Concluído zoneamento do Pará

A Embrapa Amazônia Oriental, em parceria com prefeituras municipais e associações de municípios, concluiu, em dezembro de 1998, o zoneamento agroecológico de seis municípios do Estado do Pará. O estudo será um instrumento de planejamento para o uso sustentável dos recursos naturais dos municípios. Foram elaborados 21 mapas municipais, na escala 1:100.000. O projeto atinge 219.455 pessoas, em seis comunidades.


Produtores recuperam pastagem degradada

A Embrapa Amazônia Oriental, em parceria com o BASA, a SUDAM, Takenaka S.A Indústria e Comércio, Tortuga Companhia Zootécnica Agrária, Empresa Brasileira de Distribuição e os Sindicatos Rurais dos Municípios de Santarém, Altamira e Itaituba (PA), desenvolveu um projeto voltado para criadores de gado de leite, visando a recuperar áreas de pastagens degradadas pelo pastejo rotacionado intensivo, mediante o uso de fertilizantes e a conservação ambiental. Cerca de 5.000 produtores já receberam informações referentes às tecnologias geradas. Aproximadamente 500 projetos agropecuários estão implantados, ou em fase de implantação. As tecnologias em pastejo rotacionado intensivo já tornaram possível a integração, ao processo produtivo, de 100.000 ha de pastagens degradadas.


Empregados adotam movimento pelas águas

Empregados da Embrapa Algodão reuniram-se no Movimento pelas Águas do Semi-Árido, que realiza palestras, em escolas, universidades, indústrias e comunidades locais, sobre a crise da água, El Niño, a seca e o êxodo rural. O movimento defende uma política rigorosa de gerenciamento dos recursos hídricos disponíveis no Nordeste, incentivo à pesquisa, criação de organizações, programas governamentais e campanhas educativas específicas sobre o problema.


Guerra contra a mosca-das-frutas

A Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Associação dos Exportadores de Hortifrutigranjeiros do Vale do São Francisco (Valexport) se uniram para livrar a agricultura brasileira de uma poderosa inimiga: a mosca-das-frutas. O objetivo principal dessa parceria é a introdução e liberação, no campo, de insetos parasitas benéficos, que vão atuar no controle biológico dessa praga no Pólo de Fruticultura de Juazeiro/Petrolina. O projeto está em fase de implantação, e o laboratório para criação de parasitas já está em pleno funcionamento. A criação e liberação dos parasitas, em larga escala, ficará a cargo das associações de produtores da região. Estimativas preliminares indicam uma economia da ordem de R$ 630.000,00 por ano, em uso de inseticidas e custos de aplicação. O retorno esperado dessa tecnologia é de R$ 4,54 para cada Real investido.


Melhora manejo de solos no MS

As comunidades agrícolas do Estado do Mato Grosso do Sul, especialmente as que cultivam grãos, já podem contar com um novo sistema de manejo de solos que vem se mostrando muito mais produtivo do que os sistemas conservacionistas, tradicionalmente utilizados. O Sistema de Manejo, Atributo de Solos e Perdas por Erosão Genética (SPD), desenvolvido pela Embrapa Agropecuária Oeste em parceria com a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade Estadual Paulista (Unesp), Fundação MS, Empaer-MS e Empaer-MT, reduz a perda de água, solo e nutrientes, em relação ao Sistema Convencional. Cerca de 150 comunidades agrícolas foram informadas sobre a novidade, e 2.000 famílias já recebem seus benefícios, havendo a perspectiva de crescimento de 20% da área cultivada com esse sistema, em 1998.


Biodiversidade da região dos Cerrados

A Embrapa Cerrados vem coordenando o projeto de avaliação, recuperação e manutenção da biodiversidade das região dos Cerrados, com o objetivo de assegurar que populações de todas as espécies nativas da flora e da fauna da mata de galeria tenham condições de se reproduzir e se manter ao longo do tempo. O projeto tem parceria com a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Universidade de Brasília (UnB), o Ibama, ISPN (Instituto Sociedade, População e Natureza), DFID (Department for International Development), IBGE, a JICA (Japan International Cooperation Agency), o Royal Botanic Garden of Edinburg e a Universidade Católica de Brasília.


Projeto ensina conservação do meio ambiente

Desde 1976 a Emater-GO desenvolve projeto de conservação do meio ambiente, com o objetivo de transferir práticas agrícolas menos convencionais, e que utilizem menor quantidade de defensivos. O Projeto atendeu 14.000 produtores, atuou na construção de 183 microbacias hidrográficas, no reflorestamento de 1.225 propriedades e desenvolveu práticas temporárias e permanentes de manejo e conservação do solo em 280.000 hectares de terra. As atividades são realizadas em parceria com as prefeituras municipais, a FAEG, Fetaeg e associações de produtores.


Uso de inseticida biológico economiza quase R$1,5 milhão

O uso do Baculovirus anticarsia, um inseticida biológico muito eficiente no controle da lagarta da soja, continua a ser incentivado na Região Centro-Oeste, pela Embrapa Agropecuária Oeste. A Unidade vem trabalhando na produção e comercialização do inseticida biológico, intensificando a sua utilização. Foram produzidas mais de 170.000 doses do produto, o que representa redução no uso do inseticida químico em uma área de 170.000 hectares, com economia de 80.000 litros no uso de agroquímicos, equivalentes a uma economia de R$ 1.440.000,00 por ano, além da menor poluição ambiental, obtrendo-se um produto agrícola de melhor qualidade.


Satélite monitora gafanhotos

A Embrapa Monitoramento por Satélite, em parceria com o Cirad-Gertat-Prifas, da França, e a Comunidade Européia, desenvolveu um sistema de monitoramento, por satélites, de gafanhotos-pragas, utilizado em Mato Grosso para o gafanhoto Rhammatocerus schistocercoides. Assim, os programas de controle dessa praga podem ser mais eficientes, econômicos, seguros, adequados à realidade brasileira e aceitáveis, do ponto de vista ecológico.


Inseto combate inseto

A Embrapa Agropecuária Oeste vem desenvolvendo tecnologia de manejo de pragas para a agricultura de grãos da Região Centro-Oeste. A novidade é que a implementação do manejo de pragas é feita com base no sistema de produção, e não em determinada cultura, de forma isolada. O trabalho possibilita a identificação de inimigos naturais de pragas das principais culturas agrícolas, e de formas de manejo, resultando em maior eficiência do manejo integrado de pragas.


Besouro reduz incidência de mosca-do-chifre

A pecuária de corte da Região Centro-Oeste está sendo beneficiada com introdução de um besouro africano, utilizado para controlar a manifestação da mosca-do-chifre, por meio da destruição de seu principal habitat: as fezes dos bovinos. A mosca-do-chifre é um inseto hematófago, capaz de causar estresse e redução de peso do gado. Seu controle foi realizado em parceria com a Embrapa Gado de Leite e a Embrapa Cerrados, com recursos da Embrapa, do CNPq e da Comunidade Econômica Européia. Considerada uma praga, atualmente ela já tem pouca importância no sistema produtivo, contrariando todas as previsões iniciais sobre a sua manifestação.


Técnicas recuperam solos no Cerrado

Mais de 1.000 produtores de grãos e pecuaristas dos Municípios de Campo Grande, Rio Brilhante, Sidrolândia, Maracaju e Dourados (MS) estão sendo beneficiados pela transferência de novas tecnologias de recuperação e manejo sustentável dos solos do Cerrado, realizada pela Embrapa Cerrados, em parceria com a Embrapa Gado de Corte. O projeto conta com o apoio da Empresa Agropecuária Monsanto, do Grupo Hélio Coelho e Filhos, Sindicato Rural de Campo Grande e da Prefeitura Municipal de Rio Brilhante. A Embrapa coordenou o treinamento de empregados de apoio, gerentes e técnicos de nível superior no uso das novas tecnologias, por meio da realização de dias-de-campo. O projeto resultou na recuperação do pasto com conservação de solo, aumento da produção de carne e de grãos.


Projeto de conservação beneficia mais de quatro mil ribeirinhos

A Empaer-MT, em parceria com o FEMA-MT, a Justiça Federal, Procuradoria da República e o governo estadual, desenvolveu um projeto de recuperação e conservação da Bacia do Rio Cuiabá. O objetivo é promover o desenvolvimento sustentado das regiões trabalhadas e a melhoria da qualidade de vida da população ribeirinha. Estão envolvidas, até agora, 17 comunidades, em sete municípios, tendo sido beneficiadas 4.162 pessoas.


Controle alternativo de pragas beneficia horticultores

Uma tecnologia inédita no Brasil foi introduzida nos sistemas de produção de olerícolas e fruteiras, em agricultura de base familiar, no noroeste do Estado do Rio de Janeiro. Trata-se da utilização de urina de vaca em hortaliças, repassada pela Pesagro-Rio a produtores rurais de base familiar dos Municípios de Itaocara e Aperibé. Com isso, houve sensível redução no uso de agrotóxicos e adubos químicos, e no custo de produção do quiabo e do jiló.


Controle biológico da cigarrinha

A Pesagro-Rio desenvolveu um projeto de controle biológico para reduzir a incidência de cigarrinhas-das-pastagens e, consequentemente, a quantidade de produtos químicos utilizados no seu controle. Foi produzido um biopesticida com o fungo Metarhizium anisopliae, que mostrou eficiência de 89% no controle das cigarrinhas adultas e de 61,4% nos insetos jovens. O projeto beneficiou 55 produtores.


Sistema monitora as queimadas

A Embrapa Monitoramento por Satélite vem realizando, desde 1991, um controle circunstanciado e efetivo das queimadas em todo o Brasil, conjugando sensoriamento remoto, cartografia digital e comunicação eletrônica. Em parceria com a Ecoforça Pesquisa e Desenvolvimento, são elaborados programas e procedimentos de computador, que organizam, em mapas, os dados do satélite NOAA, tratados em Cachoeira Paulista e enviados pelo INPE. O Sistema tem abrangência nacional e beneficia todos os Ministérios envolvidos no tema, além do Ibama, de ONGs, universidades, instituições de pesquisa, associações e cooperativas de produtores rurais, pecuaristas e cotonicultores, entre outros. Atualmente o Sistema está sendo adotado por 5.000 ONGs, 600 órgãos governamentais e 200 escolas.


Uso da terra é controlado por satélite

A Embrapa Monitoramento por Satélite vem desenvolvendo o Sistema Espacial de Monitoramento do Uso das Terras, que utiliza o geoprocessamento para formular um conjunto de técnicas eficazes, de modo a permitir a estruturação de sistemas de informação e de apoio à decisão na escala da administração municipal. O Sistema beneficia cerca de 30.000 pessoas relacionadas ao planejamento e desenvolvimento das atividades agrossilvopastoris, as secretarias estaduais e municipais, a Prefeitura de Jaguariúna, o Ibama, cooperativas e fazendas de grande e médio portes.


Tecnologia de ponta auxilia o zoneamento

A Embrapa Monitoramento por Satélite vem desenvolvendo estudos de zoneamento agroecológico, com a finalidade de subsidiar uma política de planejamento espacial, para programas de ordenamento territorial. Esses estudos baseiam-se em cartografia digital e sensoriamento remoto, para analisar as potencialidades e restrições da ocupação e exploração territoriais, avaliando o impacto ambiental decorrente da intensificação de atividades econômicas, sobretudo as agrossilvopastoris. O produto é utilizado por cerca de 500.000 pessoas de órgãos federais, estaduais e municipais de Planejamento e Meio Ambiente, e de Secretarias de Agricultura, Meio Ambiente e de Assuntos Estratégicos.


Mapeamento de solos auxilia planejamento municipal

A Embrapa Solos e a Prefeitura do Rio de Janeiro agiram para promover a melhoria da qualidade ambiental no Município do Rio de Janeiro, utilizando o levantamento de solos. As ações envolvem desde o levantamento pedológico e interpretações úteis ao planejamento ambiental, passando pela avaliação de aptidões para reflorestamento, até a geração de banco de dados. Essas ações têm beneficiado comunidades locais, sobretudo as das favelas e áreas adjacentes, além da população do município.


Produtores são alertados sobre nova praga

Um trabalho pioneiro de divulgação da praga Cochonilha rosada (Maconel-licoccus hirsutus), antecipando os riscos de sua entrada no Brasil, foi desenvolvido pela Embrapa Meio Ambiente com o MA. A Cochonilha rosada representa um sério risco para a agricultura brasileira, já que se trata de um inseto de difícil controle, que ataca mais de 200 espécies de plantas ornamentais, frutíferas, vegetais e florestais. O alerta quarentenário foi distribuído a todas as Delegacias Federais de Agricultura (DFAs), aos Postos de Vigilância Agropecuários em aeroportos e portos, às barreiras terrestres interestaduais e internacionais, e às barreiras móveis em todo o País. Apesar de ainda não ter sido detectada no Brasil, a Cochonilha rosada já está na Guiana Inglesa e, por isso, a Embrapa, em cooperação com o MA, vem desenvolvendo um projeto para criação, em laboratório, de um predador dessa praga (Cryptolaemus montrouzieri), para ser multiplicado em larga escala e utilizado quando necessário.


Palestras difundem o controle biológico

A Embrapa Meio Ambiente promoveu um ciclo de 12 palestras sobre o controle biológico clássico de pragas nos diversos ecossistemas brasileiros, para 500 participantes, entre estudantes de graduação e pós-graduação, estudantes da escola secundária, cooperados e agricultores. A Unidade pretende incrementar essas palestras de esclarecimento, de modo a multiplicar as informações para um número cada vez maior de pessoas.


Inimigo natural combate larva da folha dos citrus

A Embrapa Meio Ambiente, em parceria com o Fundo Paulista de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), a ESALQ/USP e Gravena Manejo Ecológico de Pragas Agrícolas Ltda., introduziu no Brasil um inseto parasita benéfico, que vai atuar como agente de controle biológico da larva minadora da folha dos citrus, no Estado de São Paulo. O trabalho vai beneficiar 5.000 citricultores associados à Fundecitrus, em cinco municípios paulistas. O próximo passo será distribuir o parasita importado em outros Estados, para atuar no controle dessa praga e também da doença conhecida como cancro cítrico dos pomares. Foi realizado um "workshop" para divulgar esses resultados, com apoio da ESALQ/USP, Gravena Manejo Ecológico de Pragas Ltda., Cati, Uniara - Araraquara, Fundecitrus, UFFRR e IMECC-Unicamp.


Mamão papaya brasileiro conquista a América

Um sistema que permite exportar variedades de mamão papaya para os Estados Unidos, sem qualquer tratamento pós-colheita, está sendo desenvolvido pela Emcaper, por intermédio do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Norte. O objetivo é demonstrar que o papaya produzido nas condições do Espírito Santo não é suscetível, no estágio de maturação em que é colhido para exportação, ao ataque da mosca-das-frutas. O projeto vai beneficiar todos os municípios do Estado, especialmente os do norte do Espírito Santo, onde a cultura se instalou. A atividade, que deve gerar 2.000 empregos diretos, está sendo desenvolvida em parceria com a USP, Federação de Agricultura do Estado do Espírito Santo (FAES), o Sebrae-ES e empresas exportadoras de mamão.


Reciclagem de Nutrientes

Em parceria com o Instituto Ambiental, a Embrapa Agrobiologia desenvolveu a Estação de Reciclagem de Nutrientes de Águas Servidas do Sertão de Carangola, em Petrópolis (RJ), com o objetivo de estudar a viabilidade da utilização de biossólido na produção agrícola de subsistência, na criação de peixes e patos, e no cultivo de flores ornamentais. A água é tratada em uma série de tanques de estabilização, tendo o seu potencial de contaminação reduzido em 99%.


Minas Gerais cria reserva biológica

A implantação da reserva biológica de Corumbá, no Município de Arcos (MG), beneficiou 1.600 pessoas com a criação de um Centro de Educação Ambiental. A reserva propicia a realização de pesquisas, e é o resultado de um convênio entre o Instituto Estadual de Florestas (IEF), a Prefeitura Municipal de Arcos e a Epamig.


Reserva da Praia do Sul

Desde 1996, a Embrapa Agrobiologia, UFRRJ e FEEMA desenvolvem uma iniciativa para manejo sustentável de culturas agrícolas em área de Mata Atlântica de encosta na Ilha Grande - Reserva Praia do Sul. O trabalho beneficia 80 pessoas, e tem como objetivo selecionar indicadores biológicos de sustentabilidade, para permitir a atividade agrícola sem prejuízo da reserva florestal.


Desenvolvimento sustentável no Alto Uruguai

Buscando o desenvolvimento sustentável para a região da Associação dos Municípios do Alto Uruguai Catarinense (Amauc) e de Concórdia, a Embrapa Suínos e Aves, Epagri, Cooperdia, Cidasc, ACCS, ACCB, sindicatos dos produtores rurais, sindicatos dos trabalhadores rurais, o Pronaf, Senar, governo de Santa Catarina e as prefeituras municipais iniciaram um projeto para difundir conhecimento e tecnologias disponíveis na Embrapa, na região. A iniciativa já envolveu 7.000 famílias.


Sistema de tratamento de dejetos suínos

O Sistema de Manejo e Tratamento de Dejetos Suínos, desenvolvido pela Embrapa Suínos e Aves, é capaz de maximizar o uso agrícola e controlar a poluição ambiental, já que reduz em cerca de 98% a carga orgânica, e em 99,9% os coliformes fecais. O sistema já beneficiou 200 produtores, e é compatível com o regime de pequena propriedade. A Embrapa coordenou a realização de treinamentos para 100 pessoas, além de implantar e monitorar cinco unidades de tratamento de dejetos suínos. O desenvolvimento e a implantação do sistema contou com o apoio da Epagri, UFSC, UFPel, Emater-RS, Emater-PR, Irrigater-SC, Sansuy, Hidrosul, Aurora, UEL, Fepasc e as prefeituras municipais.


Sistema biológico pode eliminar agroquímicos na soja

A Embrapa Soja mantém um dos mais completos programas de pesquisa, visando à qualidade do sistema produtivo da soja. Trata-se do Programa de Qualidade do Ambiente Produtivo, que preconiza a utilização do Manejo Integrado de Pragas (MIP). A iniciativa destaca a utilização dos principais inimigos naturais da lagarta e do percevejo da soja, respectivamente, o agente biológico Baculovirus anticarsia e a vespa Trissolcus basalis. Na microbacia do Rio do Campo, em Campo Mourão (PR), por exemplo, 75.000 pessoas já usufruem dos resultados alcançados com a aplicação dos métodos do programa. Somente a utilização do Baculovirus em 1.400.000 hectares de soja, no País, é responsável por uma economia de R$ 14.000.000,00 em agroquímicos. Tais resultados levaram o pesquisador da Embrapa Flávio Moscardi, "inventor" do Baculovirus, a receber o Prêmio Agricultura 96, da Academia de Ciências do Terceiro Mundo, e a pesquisadora Beatriz Correa Ferreira, também da Embrapa, "criadora" do Trissolcus, a ser reconhecida com o Prêmio Destaque Tecnológico de 98, criado pela Associação de Desenvolvimento Tecnológico de Londrina (PR).


Pupunha é opção econômica

O Iapar estabeleceu as bases técnicas para o cultivo de pupunha – mais conhecida como "palmito ecológico" –, no litoral e noroeste do Paraná, criando uma nova opção econômica e contribuindo para a preservação das reservas naturais de palmito.


Análise de agroquímicos

O Iapar presta serviços à comunidade, no setor de agroquímicos, realizando testes de eficiência agronômica desses produtos e avaliando sua efetividade no controle de doenças, pragas e ervas daninhas no Paraná.


Avaliação de impacto ambiental beneficia microbacia

A Epagri vem procurando avaliar os impactos econômicos, sociais e ambientais na microbacia do Lajeado São José (SC), em decorrência das ações e melhoramentos realizados pelas famílias rurais. A iniciativa envolve os Municípios de Chapecó e Cordilheira Alta (SC), e deverá beneficiar 150 famílias. Participam a Companhia de Águas e Saneamento de Santa Catarina (Casan), a Universidade Federal de Santa Maria (RS), Projeto Microbacias/BIRD, Secretaria de Agricultura e a Prefeitura Municipal de Chapecó.


Monitoramento Agroclimático ajuda agricultor paranaense

Um sistema de monitoramento agroclimático semanal para as culturas de feijão, milho, trigo e algodão no Paraná, acoplado aos resultados do zoneamento agroclimático, foi desenvolvido pelo Iapar. A disponibilização dos dados do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) possibilita reduzir os riscos econômicos e ambientais das atividades agrícolas. Além disso, o Iapar fornece dados sobre o risco de geadas e informações meteorológicas para organizações como a Defesa Civil, Copel e empresas seguradoras.


Palestras tratam do impacto da agricultura sobre o meio ambiente

A Embrapa Trigo promoveu, em parceria com Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), sindicatos rurais e prefeituras municipais, um ciclo de mais de 50 palestras sobre o tema "Impacto da Atividade Agrícola sobre o Meio Ambiente", para a sociedade urbana dos municípios da região. O objetivo foi divulgar as exigências da legislação brasileira, e da sociedade internacional, sobre a preservação da água e dos recursos naturais, além de discutir alternativas e conhecimentos, desenvolvidos nos órgãos de pesquisa, sobre o tema.


Integração Lavoura-Pecuária no Arenito Caiuá

A degradação dos recursos naturais e os baixos índices de produtividade das pastagens na região do Arenito Caiuá (noroeste do Paraná) vêm merecendo do Iapar – em parceria com prefeituras municipais e outras entidades dos setores público e privado –, esforços prioritários para o desenvolvimento de tecnologia voltada à integração agricultura-pecuária, em bases sustentáveis, com ênfase no cultivo da soja em sistema de plantio direto, na renovação de pastagens. Para tanto, a instituição vem conduzindo pesquisas em propriedades de referência, demonstrando a viabilidade do sistema e proporcionando orientação aos técnicos regionais, de forma que o mesmo procedimento possa ser transferido aos produtores da região do Arenito Caiuá, pelos agentes locais de assistência técnica e extensão rural.


Reciclagem de dejetos animais na agricultura

Outra iniciativa do Iapar é a orientação para o aproveitamento racional de dejetos animais (chorume de suínos e esterco de aves) para substituição parcial ou total de fertilizantes químicos. Além de minimizar os impactos de poluição ambiental, esses estudos permitirão racionalizar os custos de produção das lavouras em áreas de concentração da suinocultura e avicultura, no Paraná, que são atividades tradicionalmente exercidas por pequenos produtores.


Projetos realizam diagnóstico ambiental

O IEA desenvolve dois projetos com enfoque na melhoria da qualidade do ambiente na área rural. O primeiro deles, envolvendo 100 municípios do Estado de São Paulo, se propõe a fazer o diagnóstico da situação do uso de agrotóxicos no campo, e integra o Programa Segurança e Saúde do Trabalhador Rural, realizado com apoio da Fundacentro. O segundo projeto dedica-se a realizar o diagnóstico ambiental da evolução da estrutura agrária na área da bacia do Guarapiranga e envolve os Municípios de São Paulo, Itapecerica da Serra, Embu, Embu-Guaçu, São Lourenço da Serra, Cotia e Juquitiba.


Ensinando a cuidar das reservas florestais

A Embrapa Amazônia Oriental realizou treinamentos de curta duração, sobre colheita de sementes e produção de mudas de espécies arbóreas, visando a fomentar o uso de espécies florestais nativas. O trabalho teve apoio de diversas instituições municipais, estaduais, federais, não-governamentais e privadas, com vistas à instalação de uma Rede de Banco de Sementes de Espécies Florestais Nativas no Estado do Pará. Em parceria com a Sectam, o Cipoma e Juizado da Infância e da Adolescência, foi realizado treinamento com menores apenados, visando à sua recuperação com ações sócio-educativas e de integração.


Articulação garante Educação Ambiental

O Estado de Rondônia tem uma forte aliada no desenvolvimento de atividades de educação ambiental: a Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental de Rondônia (Ciearo). Criada em 1989, essa Comissão tem como objetivo articular as instituições públicas e comunitárias, na definição e execução da política estadual de educação ambiental. Todos os anos, a Ciearo promove a semana do meio ambiente, envolvendo a comunidade e alunos de 1º e 2º graus no processo de aplicação de ações de educação ambiental. As atividades são desenvolvidas em parceria com a Embrapa, Emater-RO, o Ibama, Detran, a Unir, Seplan, Seagri, Sesau e Seduc.


Estudantes aprendem sobre o Meio Ambiente

Cerca de 100 alunos de escolas municipais, estaduais e particulares do Rio de Janeiro já foram beneficiados com conhecimentos sobre educação ambiental. Trata-se de um projeto social, coordenado pela Embrapa Solos e desenvolvido por meio de visitas dos estudantes à Unidade, e palestras, nas escolas, sobre solos (manejo e conservação), meio ambiente e implantação de hortas, pomares e reflorestamento.


Campanha divulga a "Lei da Natureza"

A Embrapa Agropecuária Oeste participou, ao lado do Ibama, da campanha promovida pelo Lions Clube de Dourados (MS), para divulgação da nova "Lei da Natureza". O objetivo é conscientizar a população quanto às questões ambientais, visando à mudança de atitudes e hábitos em prol da conservação, proteção da natureza e melhoria da qualidade de vida. A campanha já atingiu 100.000 pessoas de todas as comunidades rurais e urbanas do município de Dourados, por meio da distribuição de 4.000 folders sobre a nova Lei.


Projeto capacita professores de 1º e 2º graus

Capacitar professores de 1º e 2º graus da rede pública de ensino, para a realização de atividades de educação agroambiental com os estudantes, é o principal objetivo do trabalho que vem sendo desenvolvido pela Embrapa Meio Ambiente, em parceria com a Delegacia de Ensino de Sumaré, a 4ª Delegacia de Ensino de Campinas e a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati). Em 1998 foram realizados dois encontros regionais de educadores ambientais; um percurso em trilhas da região de Amparo (SP) abordou o tema matas ciliares, a partir de um enfoque multidisciplinar. Foram beneficiados quatro Municípios-piloto paulistas: Holambra, Jaguariúna, Sumaré e Hortolândia, abrangendo 34 escolas e 80 professores. Na etapa final da capacitação, estima-se que esses professores estarão aptos a coordenar trabalhos de educação ambiental para um público de 3.000 alunos.


Pecuaristas recebem educação ambiental

A Embrapa Pecuária Sudeste e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) investiram na elaboração de um modelo real de escola ambiental, para repassar conhecimentos de educação ambiental e sustentabilidade a pecuaristas e estudantes de São Paulo. A escola trata da região referente à microbacia hidrográfica do ribeirão Canchim, em São Carlos (SP), ocupada por ecossistemas naturais, agrícolas e urbanizados. A ação tem o apoio da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente de São Carlos, e da Fapesp.


Educação ambiental em escolas do Rio de Janeiro

A Embrapa Agrobiologia, em parceria com a Prefeitura Municipal de Itaguaí, Prefeitura Municipal de Soropédica, Prefeitura Municipal de Paracambí e escolas particulares, desenvolveu um projeto de educação ambiental em escolas de 1º e 2º graus do Rio de Janeiro. Os trabalhos envolveram 1.550 alunos que receberam uma introdução ao estudo da nutrição das plantas, com ênfase na utilização de insumos biológicos em substituição aos produtos químicos e agrotóxicos. Os estudantes assistiram a palestras, tiveram acesso a um CD-Rom de literatura juvenil sobre o tema, e visitaram os laboratórios da Embrapa Agrobiologia e a "Fazendinha Agroecológica".


Educação ambiental para escolares de Curitiba

A Embrapa Florestas, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Colombo (PR), atende às escolas primárias da rede municipal de Curitiba, todas as segundas-feiras (manhã e tarde), com aulas de educação ambiental. O projeto possibilita o contato entre as crianças e a pesquisa florestal, contribuindo para a construção de uma consciência conservacionista nos alunos. Em oito anos de funcionamento, foram atendidos mais de 30.000 estudantes, e capacitados mais de 1.000 professores.


Sumário:

Agricultura Familiar
Reforma Agrária
Apoio Comunitário
Apoio a Comunidades Indígenas
Segurança Alimentar
Meio Ambiente e Educação Ambiental
Educação e Capacitação Profissional Externas
Educação e Capacitação Profissional Internas
Saúde, Segurança e Medicina do Trabalho
Impacto das Principais Tecnologias Desenvolvidas e Transferidas à Sociedade
Demonstrativos do Balanço Social (Embrapa - Emater-GO - Epamig - Emparn - Epagri)

 


Copyright © Embrapa. Todos os direitos reservados.