Segurança Alimentar

Uma das principais estratégias para assegurar a soberania nacional é garantir alimentos para a população. Graças ao trabalho realizado pelas Instituições de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário, nas últimas décadas o Brasil está se tornando um grande produtor mundial de alimentos: É a tecnologia agropecuária brasileira gerando alimentos mais saudáveis e nutritivos.


Novas variedades beneficiam produtores

A Embrapa desenvolveu 139 cultivares em todo o Brasil. Dentre elas, cinco novos híbridos de milho, 27 cultivares de soja, para as mais diversas regiões do País, três cultivares de trigo de excelentes qualidade para panificação e produtividade, quatro cultivares de arroz e duas cultivares de cebola que produzem até 32 toneladas por hectare, entre outras. Outros lançamentos importantes são o tomate "Viradouro", com produção acima de 90 caixas de frutos comerciais, por hectare; o feijão "Viçosa", resistente ao caruncho; uma variedade híbrida de melancia "sem semente", e o algodão colorido. Além de reduzir o custo do tecido, o novo algodão da Embrapa elimina o problema da tinta para consumidores alérgicos a tinturas superficiais. Na safra 1996/97, as cultivares Embrapa ocuparam 44% da área plantada no País com algodão, arroz, feijão, milho, soja e trigo.


Brasil decreta o fim do cancro da haste

Utilizando as 24 novas cultivares de soja lançadas pelas Instituições de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário públicas e privadas, em 1998 o Brasil poderá evitar prejuízos de até US$ 500 milhões por ano com o cancro da haste da soja. As cultivares atendem às diferentes regiões produtoras do País. Entre elas, 17 são resistentes ao cancro da haste, e duas, a soja Pintado, recomendada para o Mato Grosso, e a Liderança, recomendada para Minas Gerais, são as primeiras cultivares brasileiras resistentes ao nematóide de cisto, outra doença que causou prejuízo de R$ 174 milhões nas diferentes regiões produtoras de soja do Brasil.

Cultivares de soja

Estado recomendado

Parceiro

BRS-153

RS

Embrapa Trigo

BRS-154

RS

Embrapa Trigo

BRS-158 (Milena)

GO/DF

Embrapa Cerrados

MT/BRS-159 (Crixás)

GO/DF

Embrapa Cerrados

GO/BRS-160 (Goiatuba)

G0

Emater-GO

GO/BRS-161 (Catalão)

GO

Emater-GO

GO/BRS-162 (Bela Vista)

GO/TO

Emater-GO

GO/BRS-163 (Jataí)

GO/TO

Emater-GO

MA/BRS-164 (Pati)

MA/PI/TO

Fapcen

MA/BRS-165 (Seridó RCH)

MA/PI/TO/PA

Fapcen

MS/BRS-166 (Apaiari)

MS

Empaer-MS

MS/BRS-167 (Cambará)

MS

Empaer-MS

MS/BRS-168 (Piapara)

MS

Empaer-MS

MS/BRS-169 (Bacuri)

MS

Empaer-MS

MS/BRS-170 (Taquari)

MS

Empaer-MS

MS/BRS-171 (Campo Grande)

MS

Empaer-MS

MS/BRS-172 (Tuiuiú)

MS

Empaer-MS

MS/BRS-173 (Piraputanga)

MS

Empaer-MS

MT/BRS-63 (Pintado)

MT

Empaer-MS

MG/BRS-66 (Liderança)

MG

Epamig

MG/BRS-68 (Vencedora)

MG

Epamig

Cultivares criadas apenas pela Embrapa Soja:

BRS-155, para os plantios dos Estado do Paraná e de Santa Catarina;
BRS-156 e BRS-157, recomendadas para o Paraná.


Sementes de qualidade

O Sistema Paranaense de Produção de Sementes tem sido visto como modelo para outros Estados brasileiros, e até para alguns países da América Latina. O trabalho do Iapar permitiu que o Paraná se tornasse o referencial na indústria de sementes básicas de alta qualidade. Atualmente, o Instituto desenvolve um projeto de cooperação da Agência Brasileira de Cooperação com o Governo da Nicarágua. As principais culturas trabalhadas são: algodão, aveia, batata, café, feijão, milho, soja, trigo, triticale, forrageiras e adubos verdes.


Tambaqui criado em gaiola

Uma parceria da Embrapa Amazônia Oriental, Emater-PA, Faculdade de Ciências Agrárias do Pará (FCAP), Comissão Executiva da Lavoura Cacaueira (Ceplac), de associações de produtores rurais e as Prefeituras Municipais de Muaná, S.S.Boa Vista, Abaetetuba e Santarém, desenvolveu projeto de pesquisa sobre a criação, em gaiolas flutuantes, do peixe mais apreciado na Amazônia: o tambaqui. Em 1998, a pesquisa envolveu 390 famílias, permitindo-lhes aumentar o consumo de proteína animal, aumentar a oferta de pescado para o mercado local, a exportação e a renda. Esse projeto está sendo ampliado, agora pela Embrapa, para incluir outras espécies de peixes comerciais e camarões.


Mais mandioca na Bahia

A Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Rede de Intercâmbio em Agroecologia da Bahia (RIA) montaram, com a parceria da EBDA, do Centro de Assessoria do Assuruá, do Serviço de Assessoria a Organizações Populares Rurais, e do Terra Viva, um projeto para geração e validação de tecnologias, que vai beneficiar 1.200 famílias de agricultores de mandioca em sete municípios baianos. Foram instaladas 17 unidades de pesquisa participativa e validação de práticas culturais, onde estão sendo avaliadas nove variedades de mandioca, em competição com as variedades locais plantadas pelos agricultores. O sucesso da iniciativa contribui para maior eficiência dos sistemas de produção de mandioca, e para aumentar a oferta de comida na região.


Alimentação alternativa com amendoim e gergelim

A Embrapa Algodão realizou um curso sobre o uso do amendoim e do gergelim na alimentação humana, em comunidades rurais. Foram atendidas 40 famílias dos Municípios de Solânea e Remígio, no agreste da Paraíba.


Qualidade das polpas de frutas do Nordeste

A Embrapa Agroindústria Tropical fez um diagnóstico em 38 municípios dos nove Estados nordestinos, e apresentou uma proposta de criação de um padrão de identidade e qualidade para polpas de frutas tropicais, e de um sistema de qualidade para as indústrias de polpas nordestinas, já aplicado na indústria cearense.


Agricultura orgânica no Nordeste

Um grupo de 12 agricultores da região de Itabaiana, principal pólo produtor de hortaliças do Estado de Sergipe, com o apoio da Embrapa Tabuleiros Costeiros, Emdagro, Escola Agrícola de Itabaiana, Cohidro/Itabaiana e a Associação dos Engenheiros Agrônomos de Sergipe, recebeu treinamento e assistência técnica para viabilizar o cultivo de batata, sem agroquímicos. A Prefeitura e a Câmara de Vereadores de Itabaiana reconheceram essa iniciativa como um avanço da pesquisa.


Hortaliças sem agrotóxicos

A Embrapa Tabuleiros Costeiros, em parceria com o Projeto Lumiar, a Prefeitura de Japoatã e a Escola Familiar Agrícola de Ladeirinhas, investiu em projeto de transferência de tecnologias de agricultura orgânica de hortaliças, para 25 produtores dos Municípios de Japoatã, Neópolis e Propriá (SE). Um hectare de batata foi plantado e colhido sem uso de agrotóxicos, e o exemplo está sendo levado a outras comunidades.


Carne de qualidade

A Embrapa Gado de Corte, em parceria com a Fundação de Apoio à Pesquisa e Meio Ambiente (Fundapan), Prefeitura Municipal de Campo Grande, a empresa Arildo Carnes Especiais e o Supermercado Wagner, criou o Programa Carne de Qualidade, um modelo para a indústria da carne bovina brasileira. Com a integração de toda a cadeia produtiva, produtores, frigoríficos e varejistas, os consumidores podem saber, de qualquer corte, a identificação do animal, sua raça, idade, sexo e manejo alimentar, além da propriedade que o produziu. O consumidor também recebe um formulário para avaliação da carne adquirida. A Embrapa investiu na construção de um Laboratório de Carcaças e em pessoal técnico para produzir, avaliar e certificar a carne produzida.


Capins fazem sucesso no pasto

A Embrapa Gado de Corte, a Embrapa Cerrados, o Iapar, Organizações Estaduais de Pesquisa Agropecuária e Desenvolvimento Rural, o Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT) e as empresas produtoras de sementes conseguiram um grande sucesso na área de forrageiras. As cultivares dos gêneros Panicum e Brachiaria, desenvolvidas pela pesquisa, estão hoje presentes em 80% das propriedades rurais das Regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste. O Brasil tornou-se o maior exportador de sementes de forrageiras para a América Latina, sendo 70% de cultivares da Embrapa. Importantes não apenas na produção de carne, mas também na de leite, essas forrageiras proporcionaram melhoria na alimentação do rebanho brasileiro, gerando R$ 174 milhões apenas com o comércio de sementes, e R$ 2,9 bilhões por ano, com a produção de carne. Além disso, elas geram 2 milhões de empregos.


Saúde Brasil

Um contingente de 7.863 crianças, entre alunos da primeira à quarta série do primeiro grau, das escolas de São Carlos e região, e menores atendidos por entidades assistenciais, participou do Programa Saúde Brasil. Este ano o tema abordado foi "a importância do leite e seus derivados na alimentação". O programa tem como objetivos desenvolver hábitos alimentares saudáveis, no público infanto-juvenil e suas famílias; fortalecer o elo de ligação entre a sociedade urbana, o meio rural e a cadeia produtiva do alimento envolvido, e promover a conscientização sobre a importância da pesquisa agropecuária.


Consultas técnicas

A Embrapa Agroindústria de Alimentos realizou 529 consultas técnicas de avaliação e parecer técnico de rotulagem, análises laboratoriais para controle de qualidade em alimentos, colesterol, ácidos graxos e farinhas, e também avaliação de qualidade da matéria-prima.


Aproveitamento integral de hortaliças

A Embrapa Hortaliças promoveu dois cursos para ensinar, a 84 donas de casa, formas de aproveitamento integral das hortaliças, incrementando a alimentação diária, com economia de recursos.


Café orgânico

A Embrapa Agrobiologia, juntamente com a Embrapa Meio Ambiente, UFRRJ e Cooperativa Regional dos Cafeicultores de São Sebastião do Paraíso, desenvolve projeto de pesquisa para tornar viável a conversão do sistema convencional de produção de café em um sistema orgânico, visando às pequenas e médias propriedades. A intenção é produzir café sem resíduos de agrotóxicos e com maior valor comercial, buscando maior sustentabilidade agrícola das áreas produtoras, e menores custos de produção.


Agricultura orgânica beneficia 964 famílias

A Pesagro-Rio está coordenando a introdução de componentes tecnológicos de agricultura orgânica nos sistemas de produção olerícola, no Estado do Rio de Janeiro, para recuperar sua sustentabilidade ambiental, social e econômica, além de apoiar a comercialização diferenciada dos produtos, nos Municípios de Nova Friburgo, Bom Jardim, Magé, Nova Iguaçu e Cachoeiro de Macacu. Estão sendo diretamente beneficiadas 964 famílias das comunidades de Janela das Andorinhas, Córrego de Santo Antônio, Vala Preta, Tabuleiro e São João da Boa Morte. Além de propiciar uma renda maior aos produtores, o projeto beneficia o consumidor com produtos livres de agrotóxicos, conserva o meio ambiente e a saúde das populações rurais. A iniciativa conta com o apoio da Embrapa, Emater-Rio, ABIO, As-PTA, UFRRJ, Agrinatura, Finep e Faperj.


Cozinha experimental de trigo

O slogan "com farinha de trigo nacional produzimos pães iguais aos melhores do mundo", a Embrapa Trigo levou o projeto Cozinha Experimental às cozinhas e donas de casa de Passo Fundo, Santa Rosa, Esteio e Brasília. O objetivo é ampliar, via treinamento e demonstrações, a diversificação na culinária doméstica, na forma de fabrico de pães e similares, demonstrando a adequabilidade da farinha de trigo nacional à panificação doméstica.


Soja na Mesa

As atividades do Programa Soja na Mesa foram ampliadas em 1998, tendo sido desenvolvida a primeira cultivar de soja destinada especialmente à alimentação: a BR-155. Resultado de um projeto da Embrapa Soja, a nova cultivar apresenta baixos teores do inibidor de tripcina – responsável pelo gosto "exótico" da soja. O maiores beneficiários da nova planta são os pequenos produtores e a agroindústria de alimentos.


Aproveitamento do resíduo de soja

Em 1998, o programa coordenado pela Embrapa Soja apresentou dez novas receitas com soja. Além disso, ele está criando diferentes tipos de massa fresca, elaboradas à base de resíduos de soja provenientes das "vacas mecânicas" - as usinas de produção de leite de soja - para o enriquecimento da dieta em escolas e creches dos municípios que dispõem de tal equipamento.


Macarrão mais nutritivo

Um macarrão com farinha industrial de soja, destinado aos consumidores com problemas de saúde (diabetes e hipercolesterelemia), está sendo desenvolvido pela Embrapa Soja. O produto apresenta maior valor nutricional do que o tradicional. O aproveitamento do resíduo de soja está sendo testado na produção de pães tipo "pão de leite", em pequenas panificadoras implantadas junto às usinas de produção de leite de soja.


Outras atividades desenvolvidas pelo Soja na Mesa, em 1998

Assessoria a prefeituras municipais, para instalação de "vacas mecânicas" e produção de leite de soja, com boa qualidade e sabor, e assessoria para implantação das pequenas panificadoras, para o aproveitamento do resíduo na produção de pães;
Ações de transferência de informações e técnicas de preparo e utilização correta da soja, por meio de palestras, cursos práticos e unidades de degustação e demonstração;
Implementação de técnicas que eliminam o gosto exótico da soja;
Desenvolvimento de receitas de pratos tradicionais com adição de soja, para aumentar o valor nutricional dos alimentos;
Desenvolvimento de receitas especiais, para pessoas com problemas de saúde: diabetes e alergia à farinha de trigo.


Sumário:

Agricultura Familiar
Reforma Agrária
Apoio Comunitário
Apoio a Comunidades Indígenas
Segurança Alimentar
Meio Ambiente e Educação Ambiental
Educação e Capacitação Profissional Externas
Educação e Capacitação Profissional Internas
Saúde, Segurança e Medicina do Trabalho
Impacto das Principais Tecnologias Desenvolvidas e Transferidas à Sociedade
Demonstrativos do Balanço Social (Embrapa - Emater-GO - Epamig - Emparn - Epagri)

 


Copyright © Embrapa. Todos os direitos reservados.